Só as mães são felizes por David Coimbra

    Só as mães são felizes   No enterro de sua mãe, dois dias atrás, Roberto Carlos cantarolava baixinho a música que compôs para homenageá-la. Sussurrava tristemente, o Rei, enquanto observava Lady Laura baixar à sepultura: Não cantava para que outros ouvissem. Cantava si próprio. Cantava para ela. Para a mãe morta. Roberto Carlos, homem feito, 69 anos de idade, de certa forma celebrava aquele que, segundo Freud, é o amor mais poderoso que existe: o amor da mãe pelo filho homem. Um amor incondicional, que se justifica por si mesmo. Não é à toa que Cazuza cantou que … Continue reading Só as mães são felizes por David Coimbra